Linguagem Infantil

fala

 

A evolução da linguagem da criança é um processo gradual e não é igual para todas as crianças. O desenvolvimento da linguagem é um processo muito complexo. Para que ocorra a aquisição e o desenvolvimento adequado da fala e da linguagem, muitos fatores estão envolvidos desde o nascimento do bebê como boa audição, adequado desenvolvimento das funções de sucção, deglutição, respiração e mastigação, cognição entre outros fatores.  Falar implica ouvir e processar o que se ouve, replicar utilizando as palavras adequadas e fazer os movimentos articulares certos possuindo coordenação respiratória. A evolução da linguagem é um processo gradual e não é igual para todos os bebês e crianças – uns têm um ritmo mais lento, outros mais acelerado.

Desenvolvimento esperado da linguagem

De 0 a 3 meses: o bebê reage ao meio através dos reflexos e os adultos dão significados a esses comportamentos. Há presença do sorriso reflexo. Apresenta movimentos corporais bruscos ou acorda ao ouvir estímulo sonoro. Aquieta-se com a voz da mãe.  Procura fonte sonora com movimentos oculares.

De 3 a 8 meses: nesta fase o bebê deixa de reagir e passa a agir sobre o ambiente, aumentando sua atividade exploratória e interessando-se por pessoas e objetos. Pára de chorar ao ouvir música. Começa a voltar a cabeça em direção a um som lateral e próximo.  Já imita, tentando vocalizar com entoação, usa algumas consoantes: ma-ma, pa-pa, da-da, sem significado. Responde ao nome. A compreensão dos comportamentos do bebê se torna mais fácil por parte dos adultos.

De 8 a 12 meses: surge a comunicação intencional, ou seja, a criança compreende que pode usar o outro como meio para satisfazer seus desejos. Porém, utiliza formas de comunicação elementares, como levar a mão do adulto na direção do objeto, olhar para o objeto e para o adulto alternadamente, começa a entender o “não”, usa palavras como mamã ou papá já com significado.

De 12 a 18 meses: a criança passa a utilizar gestos convencionais de comunicação, como “jogar beijo”, “dar tchau”. Nesta idade também surgem as primeiras palavras, que podem ter múltiplas significações; por ex.: chama “cachorro” a todos os animais. Crescimento quantitativo de compreensão e produção de palavras.
Compreende verbos que representam ações concretas (dá, acabou, quer).
Identifica objetos familiares através de nomeação.
Identifica parte do corpo em si mesma.
Utiliza-se de palavra-frase (usa uma palavra que corresponde a um enunciado completo). Repete palavras familiares.

Entre 18 e 24 meses: as orações apresentam dois ou três vocábulos; p. ex.: “nenê bola”, “qué leite”. Presta atenção e compreende histórias. Identifica parte do corpo no outro. Usa o próprio nome.

De 2 a 3 anos: – Iniciam-se seqüências de três elementos, por ex.: “nenê come pão” (fala telegráfica). Aponta gravura de objeto familiar descrito por seu uso. Identifica objetos familiares pelo nome e uso. Aponta cores primárias quando nomeadas (vermelho, azul, amarelo…). Compreende o “Onde ? ” “Como ?” Pergunta o que? Nomeia ações representadas por figuras.

Combina objetos semelhantes.

A partir dos 3 anos aumenta extraordinariamente o número de vocábulos da criança e espera-se que até os 5 anos ela tenha domínio de todos os fonemas (sons) da língua.

Thuila Corezola Ramos

Fonoaudióloga

Crfa 7 – 9786

thuila.fono@gmail.com

 

Anúncios

COMO FAZER A RETIRADA DA CHUPETA

A Baby Girl's Hand and a teething ring

Sabemos que a função da chupeta além de promover o ato da sucção é de acalmar e tranquilizar o bebê. Então é fundamental atentar para o tempo de uso diário. Frequentemente vemos crianças que criaram o hábito de usar a chupeta em todos os momentos do dia. Essas crianças podem apresentar mais dificuldade para deixar de usá-la, mas os pais devem ter paciência e firmeza nos acordos que serão criados para ter sucesso nesse processo.

A pergunta mais comum que os pais se fazem é: qual a idade ideal para tirar a chupeta? Bom, devemos atentar que a retirada da chupeta deve coincidir com a época do nascimento dos dentes para que não aja prejuízo no crescimento e desenvolvimento tanto dos dentes quanto da mandíbula. O crescimento dos primeiros dentes se inicia por volta dos 6 meses. Aos dois anos a criança já apresenta praticamente completa a sua dentição. Por esse motivo a retirada da chupeta deve ocorrer nesse período, normalmente a partir do um ano e meio de vida. Após os dois anos de idade, qualquer objeto que permanecer na boca da criança poderá alterar suas estruturas orais. Nesta fase normalmente a criança a utiliza apenas por hábito ou como brinquedo, mas o seu uso prolongado pode atrapalhar o alinhamento dos dentes, causar flacidez da musculatura facial, impedir a correta movimentação da língua durante a fala e favorecer a instalação da respiração bucal. Então o recomendado é sempre limitar o uso da chupeta, principalmente quando a criança começa a aprender suas primeiras palavras. Aprender a falar é um processo muito importante, e fazer isto com uma chupeta na boca pode prejudicar e atrasar esse processo.

            Mas então como os pais devem conduzir o processo de retirada da chupeta? A retirada da chupeta deve ser gradativa. Emocionalmente falando não dá para tirar a chupeta da vida da criança de uma hora para outra, pois essa mudança brusca gera muita ansiedade, pois o bebê de repente vai se sentir privado do único recurso que conhece para se acalmar. Outro fato importante a considerar é que essa retirada não deve ocorrer em momentos de instabilidade da criança ou da família, como por exemplo mudança de casa ou conflito entre os pais.

Outra dica importante é combinar quando a chupeta pode ser usada. Faça acordos com a criança. Libere a chupeta quando a criança estiver indisposta ou na hora de dormir, por exemplo. Durante o sono, é comum as crianças soltarem o objeto enquanto estão dormindo. Caso o seu filho não faça isso tente tirar a chupeta delicadamente e deixe ao lado do travesseiro. Quando a criança acordar sem a chupeta na boca, chame atenção para o fato, destacando que ela já não precisa mais da chupeta.

Proíba o uso durante alguns momentos como visitas à casa de parentes, passeios ou toda vez que ele quiser falar algo. Não se esforce para entender o que a criança está dizendo. Não suma com a chupeta esperando que a criança vá se esquecer de usá-la. É importante que elas participem ativamente dos combinados, assim, é mais fácil cobrar o empenho delas. Evite ter mais de uma chupeta. Não passe pimenta ou outro condimento na chupeta. A criança precisa deixar de usá-la conscientemente, mesmo tendo pouca idade.

Também não dê apelidos antipáticos como “caca” e “nojinho” aos acessórios. Isso pode causar confusão e uma sensação de insegurança e ansiedade na criança uma vez que até pouco tempo esse objeto era oferecido pelos pais. Cuide para que os familiares que convivem com a criança estejam de acordo com essa decisão e que não ofertem a chupeta em momentos que não foram combinados pelos pais para não confundir a criança, e também para não serem vítimas dela, correndo o risco de serem colocados uns contra os outros.

Se for premiar a criança por não usar a chupeta, prefira brincadeiras, passeios, privilégios, adesivos ou presentinhos simples — não dê doces a ela no lugar da chupeta.  Mostre que crianças mais velhas não usam chupeta. Muitas crianças adoram se sentir mais crescidas.

Experimente usar um calendário para anotar os dias que seu filho ficou sem a chupeta. Para cada dia sem, marque com um adesivo colorido, como uma estrelinha dourada. Quando ele completar uma semana sem chupeta, dê um prêmio, como um passeio especial ou uma brincadeira a dois.

Aproveite datas comemorativas para sugerir que seu filho dê a chupeta ou a mamadeira de presente. Depois que ela der, faça de tudo para não voltar atrás. Se não houver nenhuma data apropriada próxima, você pode inventar a “fada da chupeta”. É normal que durante os dois primeiros dias, mais ou menos, os filhos sintam muita falta da chupeta. Não caia na tentação de oferecê-la novamente em caso de choro ou manha. Converse com a criança e explique que ela está crescendo e já tem condições de falar sobre seus sentimentos.

Por fim, sugiro que não desista nas primeiras tentativas. Não é de um dia para o outro que a situação se resolverá. As crianças têm apego à chupeta e à mamadeira e pode ser que chorem muito querendo desfazer os acordos. Mantenha-se firme. Diga que o que foi combinado precisa ser mantido para o bem dela.

Thuila Corezola Ramos

Fonoaudióloga

Crfa 7 – 9786

thuila.fono@gmail.com

chegadechupeta (2)

 

 

Uso da chupeta: por uma fonoaudióloga

Baby Holding Blanket --- Image by © Ken Seet/Corbis

No universo do bebê existe um objeto que é tão amado e, ao mesmo tempo, tão criticado por algumas pessoas e profissionais: a chupeta. Vemos algumas críticas a pais por oferecê-la ao seu filho ou por demorar em cortar-lhe o uso. Entretanto, como fonoaudióloga, tenho a opinião que não podemos ser radicais. O uso racional da chupeta não traz prejuízos à criança, muito pelo contrário. Em outros países a chupeta é chamada de “pacificador” e nisto nós concordamos: ela acalma mesmo o bebê; consequentemente a mãe também se acalma ao sentir que seu filho consegue se organizar – emocionalmente falando, realizando a prazerosa função de sugar e de se satisfazer mesmo na ausência da mãe.

Vejamos alguns fatores importantes: a chupeta ideal para a criança é a chamada chupeta ortodôntica, que possui o bico chato (e não arredondado como a maioria das chupetas). Existem tamanhos de bicos diferentes: recém-nascidos até seis meses e acima de seis meses. É importante que se ofereça a chupeta de tamanho adequado ao da boca da criança, para que a mesma receba estímulos corretos para o seu desenvolvimento. Além disso, devemos prestar atenção quanto ao material. As chupetas de silicone são macias, não sujam com tanta facilidade, não deformam mesmo depois das esterilizações e não ficam com cheiro ou gosto.

Como dito anteriormente, a principal função da chupeta é de acalmar o bebê. Então é fundamental atentar para o tempo de uso diário. Bons momentos para se oferecer a chupeta são aqueles em que o bebê necessita se recolher, adormecer ou quando precisa relaxar um pouco após situações que o deixaram desconfortáveis. É comum ver crianças muito pequenas que não conseguem se acalmar sem a presença de suas mães, porém, no corre-corre dos dias atuais algumas vezes elas podem não estar disponíveis e a chupeta pode ser um bom recurso.

Falando em corre-corre é comum ouvirmos relatos de pais que encontram nas mochilas dos filhos materiais trocados, sejam brinquedos, roupas e até mesmo chupetas. Sabemos que essas trocas infelizmente podem ocorrer, mas principalmente podem ser evitadas. O problema do troca-troca é o risco de doenças devido ao contato com germes e bactérias. Portanto, procure sempre manter as chupetas limpas (se possível esterilizadas) e identificadas para minimizar este risco.

chupetas

Thuila Corezola Ramos

Fonoaudióloga

Crfa 7 – 9786

thuila.fono@gmail.com